ACESSIBILIDADE

São João da Boa Vista

Como chegar: Para irá até São João da Boa Vista, saindo de São Paulo, é preciso acessar a SP-348 (Rodovia dos Bandeirantes) até a saída 47, a SP-330 (Rodovia Anhanguera) até a saída 86, a SP-083 (Rodovia José Roberto Magalhães Teixeira), a SP-065 (Rodovia Dom Pedro I) até a saída 133, a SP-340 (diversas denominações) até a saída do km 200, a SP-344 (Rodovia Rubens Leme Asprino), SPI-225/342 e a SP-342 (Rodovia Gov Adhemar Pereira de Barros) até a saída do km 226.

São João da Boa Vista

Localizada bem no centro-leste do Estado de São Paulo, São João da Boa Vista, distante 218 quilômetros da Capital, fica na região da Serra da Cantareira e seus habitantes têm orgulho de dizer que esta é ‘Cidade dos Crepúsculos Maravilhosos’. É assim que a população define este destino que é MIT, Município de Interesse Turístico, desde 2019 e por isso vem trabalhando em favor do setor com foco no crescimento de emprego e renda para a cidade. 


O título tem uma explicação: as colinas da parte urbana possuem altitudes de 730 metros, em média, e tendo como ponto mais alto o Morro do Mirante, com 1663 metros. Este sítio urbano, acidentado, explica a irregular malha urbana de São João da Boa Vista: algumas ruas, em ladeiras, não retilíneas, sem saídas ou praças parcialmente fechadas, tudo isto oferece aos habitantes paisagens especiais, mesmo estando em meio aos edifícios. Para leste, pode-se ver a belíssima serra, os horizontes são mais amplos e abertos, possibilitando assistir ao colorido pôr do sol, em especial nos meses de abril a maio. Esta é a ‘Cidade dos Crepúsculos Maravilhosos’.

Com uma população estimada de 91.771 pessoas, pelo IBGE/2020, o município oferece ao visitante várias opções de passeios. Em pleno coração da cidade, ergue-se com belas linhas arquitetônicas o Teatro Municipal, que guarda uma tradição de quase um século de precioso passado. A Estação Ferroviária foi o portal de entrada e saída da cidade e o seu armazém, o escoadouro das fases econômicas do município e, agora, este espaço foi recuperado, transformando-se no principal centro cultural da cidade. Há também o Centro Cultural Pagu que abriga a Biblioteca Municipal “Jaçanã Altair” com acervo completo de jornais, revistas, biblioteca infantil, sala de leitura de periódicos, gibiteca, mapoteca, grande quantidade de livros para pesquisa e leitura. Além, do núcleo de informática - Acessa São Paulo.

Tem mais: monumentos, igrejas, prédios antigos e muitas histórias estão espalhados por São João da Boa Vista, que conta ainda com os atrativos naturais, tornando o passeio ainda mais prazeroso, envolvendo sítios, pesqueiros e bosques que aproximam o visitante da natureza. Por estar localizada na Serra da Mantiqueira, a cidade proporciona aos turistas caminhadas diurnas e noturnas, principalmente em noites de Lua Cheia, com vistas belíssimas da área urbana e arredores, além de oferecer passeios de cavalgada. Há também a estátua do Cristo Redentor que é o ponto de referência da cidade, localizado em uma região alta de São João da Boa Vista, proporcionando aos turistas uma vista privilegiada do município. 

Destaque para um dos atrativos turísticos deste destino: o Cemitério Municipal de São João da Boa Vista, famoso por suas obras em mármore de Carrara, feitas por Fernando Furlanetto, como “Bailarina” e “Volúpia”. Todas as suas obras são marcadas pelo olhar das mesmas e dá para perceber se a pessoa tinha olho claro ou escuro pela forma que Furlanetto as esculpiu. Ricas em detalhes, cada uma tem sua historia e crença. Uma obra muito famosa é “Alfredinho”, filho de Oscar Pirajá, que faleceu em 1923, aos nove meses. Diz a lenda que todas as mães que desejassem que seus filhos largassem a chupeta deveriam deixá-las aos pés da escultura e a prática dessa lenda persiste até hoje.

O município oferece também um passeio ao Museu Histórico e Pedagógico “Dr. Armando de Salles Oliveira”, que foi doado com alguns objetos da casa residencial do Coronel Joaquim José de Oliveira. Entre as peças estão jogos de xícaras, enfeites, moedas da época, enfeites e prendedores de cabelo, relógio, jogos de jantar e talheres, além de móveis, quadros e roupas. Pelo Turismo Religioso há o Bispado e Museu da Arte Sacra – residência oficial do Bispo da Arquidiocese, onde os turistas podem apreciar diversos objetos sacros. O acervo é composto com aproximadamente 10 mil peças dos séculos 18 a 20, santinhos de papel, terços, rosários, crucifixos, medalhas, relíquias de santos, livros e sufrágios são algumas das peças que compõe o museu.

A Cidade dos Crepúsculos Maravilhosos tem a sua história e o seu nome é explicado pelo fato da família Machado ter chegado às vésperas do dia de São João e, por isso, deram esse nome ao pouso onde se instalaram. “Da Boa Vista” explica-se pelas belas paisagens que se avistam das serras. Por isso São João da Boa Vista. Foi fundada em 24 de junho de 1821, por Antônio Machado de Oliveira e os cunhados Inácio Cândido e Francisco Cândido, vindos de Itajubá, cidade de Minas Gerais. Em 24 de abril de 1880, a cidade recebe a emancipação política e é elevada a município. Nesta época compreendia as vilas de Aguaí, Águas da Prata e Vargem Grande do Sul que, com o passar tempo, também foram se emancipando. 

Mais informações: www.saojoao.sp.gov.br

Fonte: www.turismo.sp.gov.br