ACESSIBILIDADE

Itapura

Município de Interesse Turístico

Itapura

“Forte do Imperador” - Exemplar único no interior do estado de São Paulo da antiga Colônia Militar, construído no ano de 1858, às margens do rio Tietê. O edifício é tombado como patrimônio histórico pelo CONDEPHAAT/SP.

Foi na confluência dos Rios Paraná e Tietê, que em 1858, nasceu a Colônia Militar de Itapura, ou seja, Estabelecimento Naval de Itapura, protegido pelos Saltos de Itapura (em tupi-guarani: salto das pedras) e Urubupungá, hoje submersos pela represa de Jupiá.

O município foi uma colônia militar construída nas proximidades do Salto de Itapura em meados do século XIX (1858), pelo governo imperial, na margem esquerda do Rio Tietê, próximo à foz do mesmo no Rio Paraná.

Após a Guerra do Paraguai (1864-1870), a Colônia Militar de Itapura deixou de ter tanta importância estratégica, além do que o acesso à mesma era de grande dificuldade, possível apenas pelo Tietê. Assim, acabou abandonada. Em 1905, já havia apenas ruínas, conforme constatou uma comissão geográfica estadual que buscava as colônias de Itapura e de Avanhandava.

Finalmente, no final da década de 1960, com a inauguração da Usina Hidrelétrica Engenheiro Souza Dias (Jupiá) e o enchimento do reservatório, a cidade de Itapura foi inundada, restando apenas algumas construções em terreno mais alto, incluindo as ruínas da antiga colônia militar. Uma nova cidade foi edificada. A inundação também pôs fim ao Salto de Itapura.

Hoje em dia, a cidade está passando por uma reforma para que possa tornar-se um ponto turístico do estado de São Paulo devido ao seu valor histórico.

Fontes: https://pt.wikipedia.org/wiki/Itapura,

Secretaria Municipal de Assistência Social, Cultura e Turismo,

Prefeitura Municipal de Itapura

Obs: ITAPURA INICIA A TÃO ESPERADA OBRA DE RECUPERAÇÃO/RESTAURAÇÃO DO PALÁCIO DO IMPERADOR

Terá início essa semana uma das obras mais esperadas de toda a região: a obra de recuperação/restauração do "Palácio do Imperador" de Itapura, fruto de um projeto que foi desenvolvido com muito empenho e aprovado posteriormente pelo CONDEPHAAT (Conselho de Defesa do Patrimônio Histórico, Arqueológico, Artístico e Turístico).

Em 2017 o município participou do Chamamento Público nº 01 SJDC/FID/2017 que contemplou 149 projetos em todo o estado de São Paulo, situação em que Itapura se classificou em 72º lugar. Nessa etapa, foi assinado em outubro de 2019 o convênio com o FID para serem investidos R$ 1.049.799,58 (um milhão e quarenta e nove mil e setecentos e noventa e nove reais e cinquenta e oito centavos) para iniciar a obra.

Já no ano passado, Itapura participou de novo Edital de Chamamento, dessa vez para o FID FEDERAL. Nessa oportunidade, o projeto em questão levou Itapura a ser O ÚNICO MUNICÍPIO DO ESTADO DE SÃO PAULO A SER CONTEMPLADO NO EIXO DE PATRIMÔNIO CULTURAL BRASILEIRO, o que nos coloca como destaque regional, considerando a relevância de um projeto desse porte.

RECURSOS INVESTIDOS NA OBRA E ETAPAS DE EXECUÇÃO

O valor total do contrato é de R$ 1.033.461,56 (um milhão trinta e três mil quatrocentos e sessenta e um real e cinquenta e seis centavos), sendo desse total, o montante de R$ 907.689,29 (novecentos e sete mil seiscentos e oitenta e nove reais e vinte e nove centavos) provenientes de recursos do Estado e R$ 125.772,27 (cento e vinte e cinco mil, setecentos e setenta e dois reais e vinte e sete centavos) oriundos do município. A empresa responsável pela execução da obra é a Concrespi Empreendimentos Imobiliários Ltda – Epp da Cidade de Andradina/SP.

Considerando que o valor disponibilizado pelo FID ESTADUAL no Edital de Chamamento Público n. º 01/SDJC/FID/2017 era insuficiente para a execução completa da obra de restauro, a Prefeitura de Itapura, após consulta aos responsáveis pelos projetos, decidiu dividir a execução das obras em 3 etapas.

Nesta 1ª Etapa que ora se inicia, e que perfaz o valor total disponibilizado pelo FID SJC/ FID N.º 89/2019, serão executados os serviços iniciais e estruturais para restauro da edificação, etapa essa que contemplará a cobertura, fundações, estruturas, impermeabilizações, paredes e vedo, portas e janelas externas, pintura, instalações hidráulicas, infraestrutura das instalações elétricas, de lógica, de prevenção e combate a incêndio e as instalações de SPDA. Já na Etapa 2, que é a fase de acabamento, serão executados os pisos internos, forros, revestimentos e acabamentos internos, serralheria interna, cabeamento e dispositivos elétricos, iluminação, equipamentos e dispositivos de lógica e segurança, equipamentos e dispositivos de prevenção e combate a incêndio, elevador, instalações e equipamentos de ar-condicionado, enquanto a Etapa 3 compreenderá toda a área externa de Recuperação/Restauração do Palácio do Imperador (paisagismo).

Esclarecemos que, os recursos utilizados para finalizar a obra, que compreendem a Etapa 2 e a Etapa 3 estão contemplados pelo Contrato de Repasse nº 895533/2019 - Processo n° 1068.128-88/2019 - MJS/FDD e somam a importância de R$ 1.932.598,21 (um milhão e novecentos e trinta e dois mil e quinhentos e noventa e oito reais e vinte e um centavos), recursos oriundos do Fundo de Defesa dos Direitos Difusos (FDD), Ministério da Justiça e Segurança Pública.

PLANEJAMENTO APÓS CONCLUSÃO DA OBRA

Após a conclusão dessa obra, a Prefeitura pretende implantar no local a Secretaria Municipal de Turismo; uma biblioteca, onde os alunos poderão fazer pesquisas e estudos; e um museu fotográfico, onde serão reproduzidas belíssimas fotos contando toda a história da nossa querida cidade. Nesse lugar, turistas e visitantes terão um atendimento profissional com guias contando a história da Colônia Militar. Em outras palavras, os maiores beneficiados serão os alunos das escolas municipal e estadual, pesquisadores, faculdades, moradores locais, turistas, grupos e associações.

Enfim, essa obra apresenta-se com o intuito de preservar, conservar e salvaguardar este patrimônio para que hoje e futuramente as novas gerações possam contemplar um pouco da história do Brasil no interior do estado de São Paulo, promovendo a identidade cultural e a difusão da memória local de Itapura, além de promover também a Região Turística Pantanal Paulista a qual está inserida junto aos municípios de Ilha Solteira, Pereira Barreto, Sud Menucci, Castilho, Andradina, Mirandópolis, Valparaíso, Lavínia e Suzanápolis.

Reiteramos aqui nossos sinceros agradecimentos ao apoio do Deputado Carlão Pignatari, à Secretaria de Cultura e Turismo, sob o comando da Secretária Celma Cristina da Silva, à Câmara Municipal de Itapura, ao COMTUR, ao prefeito Fábio Dourado e a todos os demais envolvidos nessa conquista histórica para o município, que significa um marco na disseminação da cultura e do turismo em toda a região.